Metodologia Ativa é aposta diferencial da Start Anglo
25 de agosto de 2020
Mãos à Horta
30 de outubro de 2020
Exibir todos

Alunos do Anglo criam projeto para adaptar ensino durante a pandemia

Escola Start

Os alunos do 2º ano do Ensino Médio do Anglo Rio Preto estão desenvolvendo um projeto com o objetivo de analisar a situação das aulas a distância na pandemia do coronavírus, contribuindo assim para a adaptação do ensino durante este período.

Intitulado “Educação durante a pandemia de covid-19”, o projeto interdisciplinar, que é uma iniciativa das disciplinas de Redação e Geografia, tem orientação das professoras Natália Curti e Aline Gomes, e analisa fatores pedagógicos, técnicos e sociais, levantando dados sobre vários fatores, como o desempenho de alunos de escola pública e privada em diversos níveis de ensino, professores e estudantes de outros países, como Colômbia, Estados Unidos e Canadá. 

Nas pesquisas, a avaliação procura também contemplar a saúde física e mental e conta com a organização de planos de estudo e outros materiais para alunos que pretendem prestar o Enem, seguindo sempre os critérios científicos necessários.

Nesta semana, os grupos já apresentaram as estratégias que serão utilizadas para o recolhimento de dados e para a organização de materiais educacionais. Cada grupo tem um papel diferente no projeto. Enquanto alguns alunos buscam as dificuldades dos professores para formar tutoriais que os auxiliem no ensino a distância, outros preparam um site para organizar materiais a estudantes que pretendam prestar o Enem.

Há ainda, os alunos que estão a frente do levantamento de dados, tendo realizado até o momento uma pesquisa com mais de 700 pessoas para identificar as dificuldades atuais do ensino, tanto para alunos como professores e outro grupo que vai fazer tutoriais para ajudar nos planos de estudos dos alunos. A ideia é formar um banco de dados completo para analisar essas dificuldades. Ao todo, são sete grupos que atuam no projeto, que tem previsão para terminar na última semana de agosto, mas depende da demanda dos alunos e professores.

Para Marcelo Costa, diretor da Unidade, o projeto, que está saindo do papel, é importante por estar alcançando uma identidade social. “É uma oportunidade de ajudar tanto o aluno, que não tem meio para continuar estudando, e ao mesmo tempo o professor, que muitas vezes não tem suporte de uma assessoria para usar o aplicativo ou ferramenta desconhecida para uma aula”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *